Inserir subtítulo aqui

Reforço de Estruturas

Soluções com técnicas avançadas para intervenções de reforço estrutural, construção em betão armado e armaduras de ferro.

Recuperação

Após análises rigorosas para identificar a causa da patologia deve ser escolhido o tipo de tratamento que será aplicado. Isso depende, em primeiro lugar, da anomalia detectada. O processo para recuperação de uma estrutura com corrosão, por exemplo, não é o mesmo do utilizado em locais com fissuras provocadas por deficiências de armadura. Da mesma forma, elementos de betão armado atacados por sulfetos não podem receber o mesmo tratamento de um betão que apenas possui deficiência de vibração, adensamento ou lançamento de altura elevada.
Também é importante definir se a estrutura passará por recuperação, reforço, ou por ambos os processos. A diferença é que por recuperação entende-se o retorno da integridade das peças estruturais incluindo a vida útil inicial.
Já os reforços pressupõem a perda da resistência residual, ou seja, a estrutura não atende mais às solicitações de projeto. Assim, nem sempre o reforço é recomendado para elementos em estágio avançado de degeneração onde a recuperação é importante, por exemplo.
No caso da recuperação, a solução é a recomposição da geometria das peças antecedida do tratamento do substrato de betão deteriorado e das armaduras. Como geralmente o problema é a oxidação das armaduras, é necessária a aplicação de inibidores, que diminuem a velocidade das reações de corrosão. A recomposição é feita de acordo com a necessidade, com argamassas pré-dosadas, tixotrópicas e/ou betão aditivados.

Aumento de capacidade de carga
Quando se trata de reforço, algumas especificidades da obra - cronograma, disponibilidade de canteiro e orçamento - são consideradas no momento de definição da metodologia. Em situações em que a velocidade de execução é o item mais importante, podem ser utilizados materiais de cura rápida. Por outro lado, sistemas como jatos de areia são rápidos, mas causam muita sujeira e são contra-indicados em locais onde manter o espaço limpo é fundamental, como indústrias em operação. 
Outras vezes a principal limitação é não existir espaço para estoque, o que obriga a recorrer a materiais industrializados. Há muitas opções, mas é preciso atenção para combiná-las de maneira que se chegue a uma solução adequada para o problema apresentado e para o orçamento disponível.
A metodologia tradicional para reforçar uma estrutura debilitada é o aumento das seções resistentes de vigas, pilares, lajes, tabuleiros de pontes e vigas-parede para elevar a capacidade de carga da estrutura. Nesse caso, uma nova camada de betão é aplicada à superfície existente com o objetivo de produzir um elemento monolítico. Argamassas também são empregadas, assim como polímeros, particularmente em ambientes suscetíveis a ataques químicos.
Entre as opções para elevar a capacidade de carga das estruturas de betão há, ainda, a aplicação de reforços externos por meio da colagem de chapas de aço. Essa é uma técnica de aplicação fácil, que permite reforçar o elemento sem que haja um aumento significativo das dimensões. Há, no entanto, algumas limitações, como a dificuldade de se fabricar chapas para o reforço de elementos com formas complexas e o elevado peso do aço, que dificulta o manuseio de peças grandes e demanda um sistema de escoramento durante a fixação. A solução exige cuidados especiais contra a corrosão. Para isso, o reforço deve ser protegido imediatamente após a instalação, criando tarefas adicionais de manutenção. Além disso, a durabilidade pode ser comprometida em função do grande potencial para a manifestação da corrosão na interface chapa/adesivo. Mesmo não sendo tão freqüentes, a aplicação de estribos externos pré-tracionados, a adição de vergalhões ou perfis metálicos colados com resina epóxi, além da incorporação de novos elementos estruturais são também alternativas viáveis para o reforço de estruturas de betão armado. 
O emprego de materiais como aço e betão em reabilitação apresenta inúmeras vantagens, em especial a tradição na construção civil e o baixo custo.